As 15 competências no atual mercado de trabalho

O que o mercado de trabalho deseja e exige de cada um? Saiba quais são as características e comportamentos essenciais a quem busca destaque e promova quanto antes o seu autodesenvolvimento. Sua carreira ganhará fôlego e brilho.

1- INICIATIVA E ACABATIVA

Representa a capacidade de identificar e buscar oportunidades de negócios. Está associada ao comportamento proativo e, por conseguinte, em oposição imediata à hesitação (será mesmo que devo fazer?) e à procrastinação (será que posso fazer amanhã?).

O profissional dotado de iniciativa antecipa-se aos fatos, realizando atividades antes de ser solicitado ou forçado pelas circunstâncias. Conjuga os verbos “fazer”, “agir” e “executar”. Aproveita situações conjunturais para atender com rapidez novas demandas ou nichos. E, como pioneiro, obtém resultados concretos e mais significativos antes dos demais. Surpreende, empolga, contagia, encanta. Porém, a iniciativa hoje não viceja sozinho, mas deve estar acompanhada de seu par a “acabativa”, neologismo para simbolizar a habilidade de finalizar tarefas iniciadas. Muitos são aqueles que iniciam atividades e que não as concluem. Projetos arquivados, livros lidos pela metade, conversas interrompidas sem conclusão, sonhos de toda uma vida abandonados como se fossem de uma única noite de verão. Iniciar é preciso. Mas algo só termina quando acaba.

2- EFICIÊNCIA E EFICÁCIA

A eficiência pode ser definida como “fazer certo as coisas”. Está associada ao respeito às normas e padrões estabelecidos, à satisfação e à superação de expectativas. Um profissional com essa característica desenvolve maneiras de realizar uma atividade com menos custo e maior rapidez e qualidade superior. Seu oposto atende pelo nome de retrabalho, motivo pelo qual a eficiência implica fazer certo da primeira vez.

A eficácia por sua vez, significa “fazer a coisa certa”. É uma medida vinculada ao resultado. Assim, um vendedor pode visitar uma dezena de clientes num dia, mostrando-se muito eficiente. Porém, se não fechar negócio algum, terá sido ineficaz.

As organizações costumam estimular a busca da eficiência por um processo mecânico e protocolar: pesquisas efetuadas, tabulações processadas e relatórios preenchidos passam a impressão de que o trabalho foi feito. É comum vermos líderes que solicitam aos membros de sua equipe informações variadas apenas para ocupar-lhes o tempo, sendo que o fruto daquele trabalho alimentará apenas pastas suspensas e arquivos mortos. Já a eficácia, quando tomada isoladamente e como único fim, gera o que poderíamos cunhar como “Síndrome de Romário”. Ou seja, pessoas com foco exclusivo no objetivo e sem qualquer atenção para com os processos. De fato, conseguem auferir resultado com impacto positivo nas estatísticas, mas muitas vezes o fazem combalindo o ambiente interno.

Procure, portanto, unir eficiência e eficácia. Conceda valor e conteúdo ao seu trabalho, adote os procedimentos necessários, defina indicadores adequados para mensuração e tenha foco no resultado. Mas lembre-se sempre de que há pessoas compartilhando de suas atividades e decisões em sua organização.

3- COMPROMETIMENTO

Essa é uma atitude que poderíamos definir como sendo de cunho moral. Afinal, literalmente remete ao cumprimento de um tratado, de um pacto firmado. Significar honrar a palavra empenhada. Para tanto, pode demandar sacrifícios pessoais ou esforços extraordinários para concluir determinada tarefa, colocando o aspecto financeiro, por exemplo, em segundo plano, tendo o atendimento e a satisfação como objetivos primordiais.

O comprometimento está vinculado ao clima organizacional, com a cultura e os valores de empresa. As pessoas estão dispostas a lutar por aquilo em que acreditam, seja no plano profissional, seja no plano pessoal. E lutam pela verdade.

Há uma relação íntima entra essa competência e a capacidade de se estabelecer e cumprir metas. E essa relação está presente na própria palavra...Portanto, comprometa-se!

4- OUSADIA E CORRER RISCOS CALCULADOS

Intimamente ligada à iniciativa, essa competência está associada à coragem com responsabilidade. Trata-se da habilidade de avaliar alternativas, calculando deliberadamente os riscos inerentes a cada uma delas, fazendo escolhas e abdicando das opções concluídas como menos favoráveis, Traz consigo, ainda, o poder de agir diante de adversidades objetivando reduzir riscos e controlar os resultados. Desafio é a palavra de ordem e o combustível dos ousados, aqueles responsáveis pelo desenvolvimento das atividades, pois jamais estão satisfeitos com o status quo. Mas esteja atento para não confundir ousadia e risco com irresponsabilidade e imprudência!

5- PERSISTÊNCIA E AMBIÇÃO

Ambição é uma coisa boa. Ela nos desperta desejos, promove o comprometimento, estimula a perseverança. Torna-nos mais fortes e nos faz buscar a superação. O que estraga é a ganância. Como tudo na vida que desgarra da ponderação do equilíbrio, a ambição desmedida evolui para a ganância. Nesse estágio, o desejo vira cupidez; o comprometimento, obsessão; a perseverança, teimosia. As posses denotam opulência e, o poder, prepotência. A liberdade se esvai e renasce como fênix, enjaulada.

Persistir é manter o foco, a firmeza de propósitos, como a água do rio que contorna todos os acidentes, mantendo sua progressão até desaguar no oceano que a espera. Persistir é perseverar, o que nos lembra o esperançar, este último associado ao substantivo esperança, e não ao verbo esperar. É agir , enfrentando as dificuldades, mudando estratégias ou criando novas, assumindo responsabilidades pessoal pelo desempenho necessário ao cumprimento de metas e objetivos.

Praticar a persistência é conclamar uma apólice de seguros contra o fracasso. É superar o descrédito, as diversidades e o desânimo pelo objetivo de realizar, de fazer acontecer.

6-CRIATIVIDADE

Criatividade é o ato de dar existência a algo novo, único e original. Mas, ainda, podemos considerá-la como uma técnica para a resolução de problemas. A criatividade é uma competência muito valorizada no mundo corporativo porque consiste no melhor instrumento para a quebra de paradigmas. Algumas pessoas têm uma capacidade nata de criar, mas é possível aprender o processo criativo.

Lembre-se de que o mais importante é você se conscientizar de que existe um criador dentro de você. Por isso, evite os bloqueios mentais que lhe são impostos por terceiros, segundo os quais há sempre uma resposta certa. Você deve buscar ser lógico, prático e evitar erros, brincadeiras e ambigüidades.

7-CONHECIMENTO E CURIOSIDADE

O mundo produz anualmente o mesmo volume de informações que a humanidade levou 40 mil anos para acumular. Todos os dias, quantos jornais podemos ler? Quantas revistas podemos consultar? Quantos canais de TV podemos assistir? Qual o custo de acessar a informação nesta magnitude, muito dela em duplicidade? E qual sua explicação prática?

Estamos próximo de uma situação limite. Um bombardeio frenético de informações diante do qual agimos como buracos negros, absorvendo tudo, mas assimilando pouco. Uma overdose que gera conhecimento superficial e sabedoria reduzida.

O segredo está em buscar informações, a matéria-prima para a tomada consistente de decisões, mas sabendo processá-la em forma de conhecimento. E fazê-lo pessoalmente, ora pesquisando o mercado, observando as novidades e os fatores de atração ao consumidor; ora avaliando os concorrentes, suas estratégias comerciais, suas políticas de atendimento. Colocar a curiosidade a serviço dos negócios significa olhar não apenas para a árvore, mas para a floresta. Estender o olhar para o horizonte e cultivar a visão de longo prazo.

8-ESTABELECIMENTO DE METAS

Temos o hábito de confundir desejos com metas. Desejo é uma expectativa consciente ou inconsciente de possuir ou alcançar algo. Mora no plano subjetivo, no mundo das aspirações e pode jamais se concretizar. Já uma meta é revestida pela objetividade, deve ser redigida e apresentar cinco características fundamentais: ser específica, mensurável, alcançável, relevante e definida num horizonte de tempo.
Por isso, estabeleça e mantenha o foco. Várias flechas não garantem o acerto do alvo, e vários alvos confundem o arqueiro. Esteja preparado para os tombos – um obstáculo é apenas uma das etapas do seu plano. Use a vaidade e o dinheiro como bons estímulos, mas jamais como objetivos.

9-PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO

Papel, lápis e borracha. São estes os instrumentos que compõem o arsenal do planejador. Metas definidas devem compor um plano de ação. Tarefas de curto prazo precisam ser priorizadas. Tarefas de grande porte necessitam ser subdivididas em minitarefas. Nessa fase, o tempo pode mostrar-se como fator crítico. É o momento no qual se decide delegar tarefas. O cuidado a se tomar é monitorar continuamente a trajetória do delegado. Estar próximo, mostrar-se solícito a todo instante.Os planos devem ser periodicamente revisados, à luz dos resultados obtidos e das mudanças circunstanciais a que estão sujeitos. Ou você corrige a rota, ou você muda a rota.

10-MARKETING PESSOAL

O marketing pessoal significa projetar uma imagem de marca em relação a você mesmo, tomando a si próprio como se fora um produto ou serviço. Para construir sua marca pessoal, há um processo formado de seis etapas: embalagem, conteúdo, visibilidade, ênfase, divulgação e diferenciação.

A última etapa é mais importante, pois apenas fazendo as coisas de forma diferente você se tornará único, exclusivo, admirado e presente no coração e na mente das pessoas.

11- ADMINISTRAÇÃO DO TEMPO

O tempo é mais democrático dos recursos. Pouco importa sua idade, escolaridade ou condição socioeconômica. Todos temos 24 horas diárias e a forma como as utilizamos justifica nossos resultados e nos diferencia. Por isso, é fundamental tomar consciência de que administrar o tempo é administrar a própria vida. Há algumas perguntas básicas para descobrir se estamos sabendo gerenciar o tempo.
1. O que estou fazendo que não precisa ser feito?
2. O que eu estou fazendo que poderia ser feito por uma outra pessoa?
3. O que eu estou fazendo que só eu posso fazer?
4. O que eu deveria fazer que não estou fazendo?
Responder a estas questões certamente lhe sinalizará a necessidade de delegar atividades, de retomar o foco em suas metas pessoais ou de corrigir rotas.

12- PERSUASÃO E REDE DE CONTATOS

Muitos profissionais demonstram insatisfação com a empresa que trabalham. Ass vão da falta de reconhecimento e ausência de desafios à baixa remuneração e inexistência de plano de carreira, passando por problemas de relacionamento, seja junto a direção, seja com os próprios colegas. Esses profissionais vislumbram como única solução pedir demissão e buscar novos horizontes, como se o ambiente fosse a origem de todos os males, acreditando que em outra corporação os mesmos dissabores não acontecerão. Responda: o problema está na empresa, nos outros ou em você? Recorde-se que, na Era da Integração, num mundo sem fronteiras e regido pela conectividade, não são informações e máquinas que fazem a diferença. São Pessoas. E mais: relacionamentos.

13-INDEPENDÊNCIA E AUTOCONFIANÇA

Procure expressar confiança na sua capacidade de completar uma tarefa difícil ou de enfrentar um desafio mesmo diante de grandes adversidades. Pratique a resiliência, ou seja, a habilidade de se superar em vez de resignar-se. Cultive sua independência, mantendo seu ponto de vista face à oposição de outrem ou de resultados em princípios desanimadores. Busque autonomia em suas decisões. Mas lembre-se: independente, sempre; isolado, Nunca!

14-LIDERANÇA

Todos nós temos características inatas e outras que podem ser desenvolvidas. O mesmo dá-se com a liderança. Algumas pessoas nascem com esse perfil e podem exercê-lo, desenvolvê-lo ou até negligenciá-lo, de acordo com os estímulos que recebe. Mas a liderança pode ser ensinada, porque é uma técnica e uma arte. Liderança é o processo de influenciar pessoas para obtenção de resultados em beneficio de uma coletividade.

Um líder é alguém capaz de conduzir um grupo com igual emprenho e entusiasmo pelo mesmo objetivo. Alguém capaz de vislumbrar e desenvolver qualidades extraordinárias em pessoas comuns, alocando-as nas funções certas – aquelas em que podem exercer seus talentos. Enfim, é alguém capaz de inspirar as pessoas. Compartilhar o poder, a informação, o compromisso e o resultado. Assim age o bom líder, aquele consciente de que sempre tem algo a aprender.

15-PAIXÃO

Ainda que você reúna todas as 14 competências apresentadas anteriormente, não estará preparado se não colocar emoção em seu trabalho. Fazer o que gosta e, ainda mais importante, gostar do que faz. Se colocar o dinheiro em primeiro plano poderá até se tornar rico materialmente, mas se sentirá miserável espiritualmente. E entregando-se com prazer à sua vocação poderá ser bem sucedido e também cultivar a felicidade. Com brilho nos olhos e um largo sorriso.

Tenha em mente que mais importante do que estar à altura do que você deseja é esperar-se na medida exata do que você precisa!

Fonte: http://suaoportunidadedenegocio.blogspot.com/2011/01/as-15-competencias-no-atual-mercado-de.html